• Sônia Apolinário

Ugo Todde assumirá a presidência da Abracerva

A partir da próxima quarta-feira, dia 21 de julho, a Associação Brasileira de Cerveja Artesanal (Abracerva) passa a ter um novo presidente executivo. O então conselheiro Ugo Todde (cervejaria Dumf, DF) assume a vaga até então ocupada por Nadhine França.



De acordo com a assessoria de imprensa da instituição, Nadhine deixará a gestão "para viver um novo momento profissional e pessoal em outro país".


No último dia 1 de julho, Érica Barbosa usou suas redes sociais para informar seu desligamento da atual diretoria da Abracerva. Ela estava à frente do núcleo de negócios e seu nome ainda consta como sendo da diretoria, no site da instituição.


Sobre Marcelo Paixão (Cervejaria Verace, MG), atual Coordenador do Conselho, a assessoria de imprensa informou que ele ainda não se manifestou se permanece ou não no cargo. A expectativa é que ele se pronuncie na assembleia do dia 21 de julho que confirmará Ugo Todde como novo presidente.



Segue a nota oficial da Abracerva:


"Nadhine assumiu a Abracerva em outubro de 2020, no período mais conturbado da história da entidade. O ano que começou com uma tragédia que impactou o setor, o cenário pandêmico, a alta inadimplência e polêmicas internas de ordem socioculturais com grande exposição na mídia, terminou com uma mulher negra e nordestina à frente de um grande plano de reorganização estrutural interna, focado na organização financeira da associação, no fortalecimento do setor cervejeiro artesanal e na recuperação da confiança dos consumidores.

Durante os quase dez meses de sua gestão, Nadhine França e sua diretoria lutaram pela sobrevivência do pequeno empresário do mercado da cerveja artesanal e militaram por uma tributação e políticas mais justas.


“Apesar do cenário e das duras medidas exigidas para nos mantermos vivos, hoje a Abracerva está em um momento mais equilibrado. A equipe técnica foi extremamente competente e tivemos grandes conquistas nas regionais neste período de gestão. Eu sempre apoiarei a associação e o mercado. Porém, não é factível me manter em um cargo com essa importância morando em outro país. Será uma mudança importante para minha evolução pessoal e profissional.”

Para Nadhine, agora a Abracerva pode ser protagonista na retomada econômica do mercado artesanal cervejeiro, fornecendo ao setor dados e informações fundamentais neste momento chave.


“Informação é poder. Alguns estados já dão benefícios, e o dono da cervejaria não sabe. Nos outros, a associação pode dar ferramentas para que as regionais alcancem avanços nesse sentido. A análise da nossa pesquisa sobre os impactos da pandemia também pode apontar algumas tendências e mostrar aos associados quais capacitações e melhorias no modelo de negócio podem trazer melhores resultados”, finaliza Nadhine.

Ugo Todde, substituto à presidência executiva da Abracerva, compartilha sua visão sobre o que projeta para o futuro da associação, que vem enfrentando problemas com a pandemia das mais diversas formas:


“Ainda existe muito a ser feito e conquistado, uma maior união entre as cervejarias artesanais e suas ramificações – sommeliers, pontos de venda, colaboradores e apreciadores –, porque é onde reside nossa força dentro de questões tributárias, culturais e expansivas.”

Ugo tem como bagagem os modelos de brassagens colaborativas, expansões para mercados tradicionais, eventos - que, segundo ele, já devem ser planejados para o pós-pandemia , entre outros.


“Para que consigamos crescer e prosperar, vamos caminhar juntos continuando o trabalho que já vinha sendo feito pela gestão de Nadhine. Faremos todo o esforço para mais vitórias e conquistas para o meio cervejeiro, sempre com igualdade e respeito a todos"."



Comunicado de Érica Barbosa:


"Comunico que estou me desligando da diretoria da Associação Brasileira de Cerveja Artesanal. Foi uma decisão difícil, porém tomada após avaliar o que me motivou a integrar a mesma. Meu intuito era contribuir para o mercado sem que fosse necessário ter certos posicionamentos, mas percebi que não é possível e que, definitivamente, eu não tenho perfil político.


Sempre acreditei na colaboração para o mercado se desenvolver, mas é humanamente impossível atuar em todas as linhas de frente. As atividades da gestão necessitam de um mínimo de dedicação e eu já tenho diversas responsabilidades, não estava conseguindo participar ativamente na agilidade necessária.


Aprendi que só devemos doar aquilo que temos em abundância, pois se fica escasso para nós mesmos, não ficamos bem e consequentemente não podemos fazer nosso melhor. Tempo nunca me sobrou, mas hoje tenho outras prioridades e renunciar a este cargo é um passo importante neste processo de reorganização da minha vida.


Apesar de não ter cumprido o mandato até o fim, fico contente em ter contribuído realizando a campanha que elegeu nossa chapa, criando o Núcleo de Negócios, organizando cursos e deixando ideias para que os que ficam possam executar.


Continuarei contribuindo com o setor, como sempre, através de outros projetos. Espero preencher este espaço com possibilidades que me aproximem mais dos meus novos objetivos. Desejo que a associação consiga dar continuidade ao planejamento e obtenha êxito em suas ações."


Leia também

Os novos rumos da Abracerva sob a presidência de Nadhine França


Febracerva é nova entidade do setor de cerveja artesanal


Destaques
Últimas