• Sônia Apolinário

Borbulhas de bancha e seriguela da Bodebrown para receber 2021

Foi com a Bodebrown Bancha Sour que Lupulinário recepcionou 2021. A escolha foi por ser uma cerveja que remete a um espumante. A própria marca a define como uma “sparkling” (efervescente, borbulhante).

Sua base é uma Saison, “fermentada com levedura belga típica da região da Wallonia, a Belgian Saison”, como a cervejaria informa.


Na receita, o bancha, que é um tipo de chá-verde japonês. Ambos são provenientes da mesma planta, a Camellia Sinensis. Porém, o bancha é produzido a partir de folhas que permanecem no pé, no mínimo, três anos, o que torna seu gosto menos adstringente. No Dry Hopping, o lúpulo japonês Sorachi Ace.


Quem vê apenas o rótulo, não imagina que também faz parte da receita a brasileiríssima seriguela, fruta amarela típica do Norte e Nordeste do país, “que provoca um aroma suave e sabor frutado tropical”. Outro ingrediente é casca de limão Taiti.


De cor amarela clara brilhante, com leve turbidez. Espuma branca de formação irregular, preenche todo o copo rapidamente, no serviço, mas com baixa persistência, logo o copo “esvazia”.


No aroma, um cítrico envolto em notas florais - na descrição sensorial da cervejaria de Curitiba (PR) consta pão branco, que eu não percebi.


Na boca, um frutado que me remeteu a uva branca (!?). Um dulçor ligeiro que finge que vai chegar, dá um “oi” e some. Amargor levíssimo (IBU não informado). Alta carbonatação, corpo leve, final seco e acidez característica do estilo.


Com 6,5% de teor alcoólico, é uma cerveja leve, refrescante e festiva. De quebra, tanto o bancha quanto a seriguela têm “fama” de retardar o envelhecimento da pele e ajudar a perder peso – auspicioso! Feliz Ano Novo!


Leia também:

Bodebrown lança Grape Ale com mosto de uva Trebbiano


Destaques
Últimas

© Todos os direitos reservados Comunic Sônia Apolinário