• Sônia Apolinário

As tentativas de Munique para ter uma Oktoberfest em 2020

Uma área de cerca de 50 mil metros quadrados, em Munique, na Alemanha, durante todo o ano, é utilizada pela população como um parque. Porém, por 15 dias, o local é ocupado por enormes pavilhões, biergartens e brinquedos de parques de diversões. Nesse momento, o Theresienwiese se transforma na Oktoberfest, um dos eventos mais tradicionais do mundo, e o maior quando o assunto é cerveja.

Em 2020, a festa estava prevista para ser realizada de 19 de setembro a 4 de outubro. Eram esperados cerca de seis milhões de visitantes. Porém, o evento foi cancelado por conta da pandemia do coronavirus. O anúncio do cancelamento foi feito pelas autoridades locais, em agosto.

“As pessoas ficaram bem sentidas. É um evento mundial, mas os locais amam. A Oktoberfest está para Munique como o Carnaval está para o Rio de Janeiro. É como se tivessem cancelado o Carnaval”, comenta Victor Kling, jornalista e cervejeiro brasileiro, responsável pelo site Lado Bier.

Há dois anos, Victor se mudou do Rio de Janeiro para Munique. Lupulinário entrou em contato com ele justamente para saber como a cidade reagiu sem poder fazer sua grande festa, que existe desde 1810.

Victor contou que os moradores de Munique bem que tentaram fazer uma celebração por conta própria. Pela internet, começaram a pipocar eventos, convidando o público para levar um “isoporzinho” para o Theresienwiese, na época em que a Oktoberfest estaria acontecendo no local.

Resultado: a polícia ocupou o parque e foi baixada uma norma proibindo o consumo de bebida no local, sob pena de multa.

As seis cervejarias de Munique autorizadas a participar da Oktoberfest (as seculares Augustiner, Hacker Pschorr, Hofbräu, Löwenbräu, Paulaner e Spaten) também tentaram dar um jeitinho de levar um pouco da festa para o público. Para isso, criaram eventos nos seus respectivos restaurantes.

“As cervejarias fizeram uma espécie de Oktoberfest descentralizada, nos seus restaurantes e bares. Tinha que reservar lugar com antecedência. Em cada estabelecimento, era para ser bem parecido com o clima da festa: muita cerveja, música ao vivo temática e o cardápio alterado para incluir a comida que é servida na Oktoberfest, que não é muito diferente do que esses restaurantes já servem . A diferença principal é que o festival vai além dos clássicos joelho de porco e salsicha. A comida mais tradicional da Oktoberfest é o frango assado. Todas as tendas vendem. Na época da festa, até os mercados vendem esse frango, que é como um galetinho assado”, explica Victor.

No total, 50 estabelecimentos espalhados por Munique se prepararam para promover essa Oktoberfest descentralizada, a partir da última semana de setembro. Chegaram até a fazer, cada cervejaria, em seu restaurante, a tradicional abertura do primeiro barril – na Oktoberfest acontece, desde 1950, um ato solene, às 12h (horário local), do primeiro dia do evento, quando o prefeito de Munique abre um barril e profere as palavras “O'zapf is” ("está aberto", em dialeto bávaro).

A Oktoberfest dos restaurantes e bares, porém, durou pouco. De acordo com Victor, logo na primeira semana de sua realização, os casos de Covid começaram a aumentar, na cidade. Assim, o governo voltou a decretar restrições que afetaram o funcionamento do comércio.

“As novas restrições deram uma quebrada no evento. Na primeira semana, muitas pessoas andaram pela cidade vestidas com as roupas tradicionais. Isso mostrou que tinham comprado a ideia, que estavam indo celebrar a Oktoberfest, nos restaurantes. Porém, o evento, que era para durar até o meio de outubro, praticamente já não existe mais. Também não se vê mais ninguém caracterizado pelas ruas”.

A Prefeitura de Munique também deu uma forcinha para alegrar os moradores da cidade. Como de hábito, a chegada do verão foi celebrada, mas os eventos se prolongaram até o início de outubro, justamente para coincidir com o período da Oktoberfest. O “Verão na Cidade” começou em junho e foi realizado em quatro lugares diferentes. Em cada um desses lugares, foram montadas barracas com venda de cerveja e comida típica, além de brinquedos como carrossel e montanha russa, que são algumas das atrações da Oktoberfest.

O Covid-19 não foi a primeira pandemia a derrubar o evento. Em 2020, seria realizada a sua 187ª edição. Desde sua criação, a Oktoberfest deixou de ser realizada 24 vezes. Em duas dessas ocasiões, o cancelamento aconteceu por conta de surto de Cólera. Isso ocorreu em 1854 e 1873.

Guerras também impediram a realização do festival. Nesse caso, a primeira vez aconteceu em 1813, quando os alemães enfrentaram Napoleão Bonaparte.

Politicamente, o evento teve dois momentos marcantes, até agora: em 1933, uma bandeira com suástica substituiu a bandeira bávara (branca e azul), nos pavilhões; em 1980, uma bomba explodiu em uma lixeira, durante o evento, matando 13 pessoas e ferindo outras 201. O atentado foi atribuído a um extremista de direita, que teria agido sozinho e que também morreu no local.

A história da Oktoberfest (“Festa de Outubro”) começa quando os cidadãos de Munique foram convidados a celebrar, no dia 17 de outubro de 1810, o casamento do princípe Ludwig, da Baviera, com a princesa Teresa, da Saxônia. Ele se tornaria o Rei Luís I da Baviera.

A população gostou tanto da festança, que algo semelhante foi repetido, no ano seguinte, com a desculpa de celebrar a agricultura local. Em 1811, a cerveja voltou a correr solta, na mesma área onde foi celebrado o casamento real, já, então, batizada como “gramado de Teresa” (Theresienwiese).

Em 1819, a população de Munique assumiu a responsabilidade pela realização da festa. A partir daí, o evento passa a ser realizado todos os anos. Gradativamente, sua duração foi aumentando, com a data de início sendo “empurrada” para setembro, mês com dias mais longos e quentes do que outubro. O evento gera uma receita de cerca de 1 bilhão de Euros.

“A população de Munique espera o ano inteiro para ir na Oktoberfest. Tem toda uma indústria ao redor da festa, muitas pessoas dependem do evento. Tem pessoas que vivem para isso. As famílias mais tradicionais da cidade investem tudo na Oktoberfest”, afirma Victor.

Em 2021, o evento está previsto para acontecer de 18 de setembro a 3 de outubro. Os organizadores já estão dando os primeiros passos para a sua realização.

Leia também:

As cervejarias e os bastidores da Oktoberfest revelados em série da Netflix

Oktoberfest no Brasil é chance de promover cervejas no pouco explorado estilo alemão

Para comentar, aqui

Destaques
Últimas

© Todos os direitos reservados Comunic Sônia Apolináriosoniapolinario@yahoo.com.br