• Sônia Apolinário

Cerveja peruana com quinoa é lançada no Brasil

Considerada um superalimento, a quinoa chega à cerveja da grande indústria. Em uma ação global, a peruana Cusqueña Quinua foi lançada, ao mesmo tempo, no Brasil, e em vários outros países. Rótulo sazonal, é uma produção da Cervecerías Backus y Johnston, que faz parte do grupo AB-InBev.



A Cusqueña Quinua é uma Fruit Beer com laranja, pêssego e sementes do grão de origem milenar, proveniente dos países Andinos, principalmente, Peru e Bolívia. Com 6,5% de teor alcoólico e 20 IBU, leva na receita o lúpulo norte-americano Willamette, geralmente usado para aroma, com características herbal, terroso e picante. A descrição sensorial feita pela cervejaria informa que a bebida tem “sabor intenso, levemente adocicado e cítrico”.


O rótulo chega ao Brasil pela ABN8 Trading, que comercializa Cusqueña, no país, desde 2019. CEO da importadora, Alfredo Novais explica que, inicialmente, o trabalho com a marca tinha como objetivo abastecer os restaurantes peruanos que “invadiram” os grandes centros brasileiros, nos últimos anos. A distribuição, porém, estava restrita a São Paulo e, mais recentemente, Santa Catarina. Com a pandemia, ele rumou para o varejo e, agora, a cerveja peruana começa a ser encontrada em supermercados, em todo o país.


A Cusqueña Quinua se junta ao portfólio da marca, no Brasil, do qual fazem parte os rótulos Golden Lager (única a ser encontrada, também, em lata), Dark Lager, Red Lager e Trigo, disponíveis em garrafas de 330 ml.


Alfredo conta que a cerveja com quinoa foi criada há dois anos, no Peru. Segundo ele, a produção é “complexa”, exige grande área fabril e, pelo menos, três meses de fermentação. Assim, foi feita uma única produção, distribuída por vários países. A previsão é que seja encontrada no mercado até agosto. Depois, só em março de 2022.


A Cusqueña está para o Peru como a Quilmes para a Argentina. Sua garrafa de vidro chama a atenção por não se parecer com a de nenhuma outra cerveja. Além disso, apresenta um detalhe bastante simbólico para os peruanos: um entalhe que remete à Pedra dos 12 ângulos, que está incrustada em um muro Inca, em Cusco (antiga capital Inca) e se destaca por sua simetria e exatidão no encaixe.


De fusão em fusão


A Cusqueña faz parte da linha Premium da cervejaria. Existe desde 1908, mas foi criada pela Compañía Cervecería del Sur de Perú (ex- Cervejaria Alemana, com sede em Cusco). Em 2000, a Backus y Johnston comprou a então rival.


A história da atual maior cervejaria peruana data de 1876 quando os empresários norte-americanos Jacobo Backus e Howard Johnston fundaram a South American Ice Factory, em Lima, a capital do Peru. A empresa virou cervejaria em 1879 com a criação da Backus & Johnston Brewery. O popular rótulo Cristal foi lançado em 1922 e é tido, até hoje, como a “cerveja de combate” da empresa.


De aquisição em aquisição, a Backus y Johnston cresceu. Em 2005, passou a fazer parte do grupo SABMiller que, por sua vez, foi comprado pela Anheuser-Busch InBev, em 2015. Atualmente, a Backus y Johnston detém 93% do mercado peruano de cerveja.


Curiosidade 1

A gigante cervejeira brasileira Ambev, que faz parte da AB-InBev, concorre com a Backus y Johnston, no Peru. Em 2005, a brasileira construiu uma fábrica na zona industrial de Huachipa, onde produz sua “cerveja de combate” Brahma. A Ambev está no mercado peruano desde 2003, quando inaugurou uma fábrica de refrigerantes.


Curiosidade 2

No Brasil, a marca Cusqueña disputa mercado com rótulos importados da Ambev.


Curiosidade 3

Em 2016, a Baden Baden lançou o rótulo 5 Grãos, uma Specialty Beer feita com amaranto, aveia, quinoa, trigo e cevada. A marca pertencia ao grupo Brasil Kirin, comprado pela Heineken, em 2017.


Curiosidade 4

Quinua significa “grão materno”. Registros arqueológicos indicam que há 7 mil anos, a semente dessa planta era usada na atividade pastoril, na região dos Andes; já para consumo humano, os registros apontam para 4 mil anos. Existem 3.120 variedades da planta. O domínio espanhol nas Américas substituiu o consumo da quinoa por trigo e cevada. A quinoa é um dos grãos selecionados pela NASA para integrar a dieta de suas equipes de astronautas. A quinoa não contém glúten e pode ser consumida em grão, floco ou farinha – e agora, também, na cerveja.


Destaques
Últimas