• Sônia Apolinário

Canal Curta! promove Maratona da Democracia

A trajetória do jurista Heráclito Sobral Pinto; a vida de João Goulart, o 24° presidente brasileiro, deposto pelo golpe militar de 64; detalhes sobre a participação dos Estados Unidos nesse mesmo golpe; fake news; a luta das mulheres pelo direito de votar. Esses são alguns dos temas dos documentários que farão parte da Maratona da Democracia, que o canal Curta! exibe amanhã (12 de setembro), a partir das 7h15.


Abre a programação “Os Anos JK – Uma Trajetória Política”. O filme de Silvio Tendler conta a trajetória do presidente brasileiro Juscelino Kubitschek, nascido em Diamantina, Minas Gerais. A produção relembra sua estreia como político, passa por sua atuação na presidência — sobretudo pela construção de Brasília — e vai até a perda de direitos políticos sofrida por Juscelino durante a ditadura militar.


Em seguida, às 9h15, uma volta no tempo com o documentário “O Voto – A História das Sufragistas”. Aprovada pelo Congresso dos Estados Unidos em junho de 1919 e ratificada pouco mais de um ano depois, a emenda constitucional que deu às mulheres o direito ao voto foi resultado de uma luta incansável. Do seu início até a conquista do voto feminino, a trajetória das chamadas “suffragettes” norte-americanas é contada nessa produção que tem direção de Michelle Ferrari.


De volta ao Brasil, às 10h30, é a vez de outro documentário. “O Prólogo”, dirigido por Gabriel F. Marinho, discute o uso da propaganda política através do cinema e da televisão, na década de 1960. A obra desvendando a cultura dos antigos curtas-metragens que passavam antes das sessões principais de cinema no Brasil.


O cineasta Silvio Tendler volta à tela, às 12h10, com a exibição de “Jango”. O filme refaz a trajetória política de João Goulart, o 24° presidente brasileiro, que foi deposto por um golpe militar nas primeiras horas de 1º de abril de 1964. A reconstituição da trajetória de Goulart é feita através da utilização de imagens de arquivo e de entrevistas com importantes personalidades políticas como Afonso Arinos, Leonel Brizola, Celso Furtado, Frei Betto e Magalhães Pinto, entre outros. Lançado em março de 1984, o filme teve seu roteiro escrito pelo jornalista Maurício Dias e o próprio Sílvio Tendler, enquanto a trilha sonora foi desenvolvida por Milton Nascimento e Wagner Tiso.


O golpe que depôs Jango e mudou o futuro do Brasil ganha destaque, às 14h15, com o documentário “O Dia Que Durou 21 Anos”, do diretor Camilo Galli Tavares. Dividido em três episódios, traz detalhes sobre a participação dos Estados Unidos no golpe militar de 1964 no Brasil, bem como importantes documentos americanos considerados como secretos durante o regime. A produção apresenta textos de telegramas, áudio de conversas telefônicas, depoimentos e imagens inéditas. A narração fica por conta do jornalista Flávio Tavares, que participou da luta armada, foi preso, torturado e se tornou um exilado político.


Logo em seguida, às 14h45, entra em cena “Sobral – O Homem Que Não Tinha Preço”. O documentário relembra a trajetória do jurista Heráclito Sobral Pinto, que ganhou visibilidade ao defender a democracia durante a ditadura militar. O longa-metragem é dirigido pela neta do jurista, a cineasta Paula Fiuza, e traz uma série de depoimentos de advogados e historiadores, além de imagens de arquivo que revelam o advogado e ressaltam a importância de seu trabalho na defesa da justiça e dos direitos humanos. Um dos depoimentos do filme é de Anita Leocádia Prestes, filha dos militantes comunistas Luiz Carlos Prestes e Olga Benário. O jurista recusou um convite feito pelo então presidente Juscelino Kubitschek para assumir um posto de ministro do Supremo Tribunal Federal para que não supusessem que sua defesa da posse do presidente tinha sido movida por interesse pessoal.


Às 16h15, é a vez do documentário “Democracia em Preto e Branco”. Narrado por Rita Lee e dirigido por Pedro Asbeg, a produção aborda o movimento ideológico-futebolístico chamado “Democracia Corinthiana”, focando sobretudo na figura de Sócrates, jogador do Corinthians. O longa, produzido pela TV Zero, mostra o panorama esportivo, musical e político de uma época em que o país fervilhava em meio a greves e protestos pelas eleições diretas.


O movimento estudantil é analisado às 18h com “Espero Tua (Re)Volta”. Trata-se de um retrato do movimento que ganhou força a partir do ano de 2015, com ocupação de escolas estaduais por todo o Brasil. Acompanhando três jovens do movimento e com imagens de arquivo de manifestações, desde 2013, o documentário tenta compreender as ocupações e as suas principais pautas a partir do ponto de vista dos estudantes envolvidos.


A atração seguinte (19h40) é “O Paradoxo da Democracia”. O filme de Belisario Franca mostra que a noção de democracia foi posta em xeque em nações como Brasil, Estados Unidos, França, Egito e Ucrânia, por meio de fortes manifestações que culminaram na queda de governos, seja por vias eleitorais ou por golpes de estado. Pensadores respeitados em todo o mundo, como Jacques Rancière e Juan Carlos Monedero, analisam os diferentes contextos sociais em que está inserido esse sentimento de insatisfação, que parece unificar sociedades tão díspares.


Às 21h, “Fake News – Made In Brazil (:” mostra trechos e entrevistas do documentário inédito, que será exibido na íntegra em breve no próprio Curta!. O filme exibe alguns clássicos de notícias falsas que ganharam notoriedade e suas consequências. Analisa o processo do ponto de vista histórico, tentando entender seu funcionamento, e extrapola para o momento atual. As notícias falsas, ou Fake News, são usadas com objetivos financeiros e muitas vezes são parte de um esquema maior para definir e influenciar cenários políticos.


Encerra a Maratona da Democracia (22h) “O Mês Que Não Terminou”. De Francisco Bosco e Raul Mourão, o documentário relembra dois movimentos internacionais de 2011, o “Occupy Wall St”, em Nova York, e “Os Indignados”, em Madrid, fazendo uma ligação entre essas ações e as manifestações que ocorreram no Brasil durante junho de 2013. Segundo os diretores, essa agitação desembocou nos protestos a favor do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, em 2014; também teria sido motor de propulsão da Operação Lava Jato e da ascensão da extrema direita no Brasil.



O Curta! pode ser visto nos canais 556 da NET / Claro TV, 75 da Oi TV e 664 da Vivo Fibra, além de em operadoras associadas à NeoTV.

Destaques
Últimas