Bloco Dominó comemora 30 anos de Carnaval em Niterói

Em 2020, o bloco Dominó comemora 30 anos de carnaval, em Niterói.  A agremiação tem arrastado cerca de 30 mil pessoas pelas ruas do bairro de Santa Rosa - ou Jardim Icaraí, como alguns preferem chamar.  O desfile será na sexta-feira (21), com saída às 21h, e a diretoria informa: vai ter bloco na rua, mesmo debaixo de chuva.  

 

Todos os anos, quando falta uma semana para o desfile do Dominó, o presidente do bloco, Arthur Fernando Barbosa emagrece. Quando a bateria começa a tocar, na concentração, duas horas antes do desfile, ele terá perdido pelo menos oito quilos. Segundo ele mesmo conta, dificilmente alguém vai vê-lo sorrir. Na verdade, vai parecer estar zangado.

 

Meses antes da data, ele inicia uma reza diária, para pedir duas coisas: que não chova no dia do desfile e que, ao longo das três horas em que o bloco percorre o bairro da zona sul de Niterói, não aconteça uma única briga ou tumulto.

 

Ano passado, ele foi parcialmente atendido.  O Dominó desfilou debaixo de uma chuva torrencial. E a previsão para este ano é de chuva, outra vez.

 

“Ano passado, foi um mico. A chuva afrouxou os instrumentos e a bateria teve muita dificuldade para manter o ritmo. Este ano, estamos preparados. Todos os instrumentos estão forrados. Pode chover, que nós vamos para a rua”, afirma Arthur.

 

Um dos fundadores do bloco, bancário aposentado, 75 anos, ele não gosta de ser chamado de presidente, posto que ocupa, de fato e de direito. O motivo da cara zangada no dia do desfile?

 

“Chamam meu nome a todo segundo, eu quase fico doido”, comenta ele, na foto, à esquerda.

 

Ele e amigos como Wanderley Mangueirense e Alfredo Cocaro  são os fundadores do bloco. Sim, todos jogavam dominó. Sim, mais pessoas ajudaram nessa criação. Todos são apaixonados por carnaval. Integrante da diretoria, Carlos Santa Rosa, antes de participar do Dominó, fundou , também em Santa Rosa, o bloco Branco no Samba. Isso foi em 1969. A agremiação cresceu, apareceu e virou escola de samba que, entre 1981 e 1985, fez parte do Grupo 1 de Niterói.

 

“Era muita politicagem. Resolvemos acabar com a escola de samba”, conta Carlos, de 69 anos, eletricitário aposentado, na foto, à direita, usando a primeira camisa do bloco.

 

Segundo ele, o Dominó, bloco, começou como uma “brincadeira como outra qualquer”.  Seis anos depois de criado, a bateria tinha 36 componentes. Hoje, são 130. Durante sete anos seguidos, Carlos foi o compositor do samba do bloco. Há quatro anos, porém, a diretoria aboliu o samba e deu liberdade para a bateria tocar de tudo um pouco. Carlos não esconde que não gostou muito disso, não.

 

Tanto que compôs o samba em homenagem aos 30 anos e ele será cantado durante o desfile, sim. Na verdade, Carlos adaptou para a nova data, o que compôs quando o bloco completou 25 anos.

 

Cantarolando o samba novo, ele se emociona. Também quando toca o CD que reúne 18 sambas do bloco, tudo devidamente gravado em estúdio.  

 

O amigos foliões afirmam que o Dominó não tem patrocínio. Para ir para a rua, o custo é de cerca de R$ 30 mil. O gasto é para remunerar os integrantes da bateria e, depois, recuperar os instrumentos. E para a decoração da rua. Até há alguns anos, Arthur subia nas árvores para colocar os enfeites e também para retirá-los. Agora, por conta da idade, ele delegou, a contragosto, a tarefa para ajudantes. Também não toca mais surdo, no meio da bateria. Cabe a Carlos também a tarefa de carnavalesco do bloco.

 

É em uma pequena loja dele, na Rua Geraldo Martins, perto da esquina com Cinco de Julho, que fica a sede do bloco, “naturalmente” ampliada pelas instalações do bar que fica ao lado. O estabelecimento se chama Sousa e Lima, mas só os donos sabem disso. Para os moradores de Niterói, é o bar do Dominó.

 

Fazer ensaios para arrecadar dinheiro, eles até já fizeram.  Porém, segundo Arthur, “é tanta aporrinhação” que o grupo desistiu. Promover rodas de samba no “bar do bloco”, nem pensar.  Motivo: evitar problema com a vizinhança que apoia e participa do desfile.

 

“Colocamos o bloco na rua uma vez por ano e é isso. Acabou, acabou. E dá um trabalho enorme”, comenta Arthur que manda fazer as camisas do Dominó em Feira de Santana (BA) porque foi onde conseguiu o melhor preço. Este ano, cada uma custa para o folião R$ 10 e essa venda ajuda a reduzir as despesas do carnaval.

 

O bloco começa e termina o desfile, em frente à sede. O trabalho de Arthur, porém, só termina cerca de uma semana depois quando os instrumentos estão guardados outra vez, as despesas pagas e a decoração retirada. E então que ele volta a sorrir:

 

“Minha paixão é carnaval de rua. Quando vejo as pessoas ainda na concentração, a primeira coisa que penso é que, pelo menos uma vez por ano, ajudamos a criar oportunidades de trabalho. Muitos reclamam dos camelôs, mas os pequenos até enfeitam o bloco com suas barracas”, comenta.

 

E os herdeiros? Já estão sendo treinados para conduzir o bloco no futuro?

 

“Parece incrível, mas nenhum dos nossos filhos gosta de carnaval. Não tem ninguém, por enquanto, interessado em tocar o bloco”, afirma Arthur.

 

Desfile 2019

 

 

 

 

 

Programação de Carnaval de Niterói

 

21 de fevereiro – Dominó – Icaraí – Rua Dr. Geraldo Martins (entre 05 de Julho e Mariz e Barros), 18h, grátis

 

21 de fevereiro – Folia dos Bois – Barreto – Rua Presidente Craveiro Lopes, 17h, grátis

 

22 de fevereiro – Bloco do Cantusca – Centro – Canto do Rio, 9h, grátis

 

22 de fevereiro – Bloco do Praia Clube – São Francisco, 17h

 

22 de fevereiro – Bloco Cordão do Bola Branca – Centro , 9h, grátis

 

22 de fevereiro – Bloco do Bigode – São Francisco – Clube Hostel – AV. Presidente Franklin Roosevelt, 770, 15h, grátis 

 

22 a 25 de fevereiro – Carnaval da Nóbrega – Icaraí, 14h, grátis

 

22 a 25 de fevereiro - Bloco Vermelho e Branco – Jurujuba, 14h, grátis

 

25 de fevereiro - Bloco Saias na Folia – Centro – Avenida Visconde do Rio
Branco, 15h, grátis 

 

LARGO DO MARRÃO
Sábado – 22/02
18h – Carnaval com Bia Bedran
20h – Cordão da Bola Preta

 

PALCO CAMPO DE SÃO BENTO
Sábado – 22/02
10h – Bailinho de carnaval do Tatu Canta Cá
11h – Show de Carnaval Trupifolia com a TRUPICADA Banda de
Música Infantil
12h30 – Mônica Mac e Samba no Prato – Participação de Eliane
Carnevale

 

Domingo – 23/02
11h – Carnaval com Bia Bedran
13h – Cordão da Bola Preta

 

Segunda feira – 24/02
11h – Sinfônica Ambulante
12h30 – Mulheres de Chico
14h – Cordão da Bola Branca

 

Terça Feira – 25/02
11h – Céu na Terra
12h30 – Choro na Rua e Convidados – Participação de Alana Moraes e
Pedro Miranda

 

LONA CULTURAL ARTHUR MAIA – HORTO DO BARRETO
(PARQUE PALMIR SILVA)
Domingo – 23/02

11h – Mônica Mac e Samba no Prato – Participação de Eliane
Carnevale
12h30 – Mulheres de Chico
14h – Cordão da Bola Branca

 

Segunda – 24/02
11h – Show de Carnaval Trupifolia com a TRUPICADA Banda de
Música Infantil
12h30 – Ana Costa

 

Terça – 25/02
11h – Carnaval com Bia Bedran
12h30 – Cordão da Bola Preta

 

HORTO DO FONSECA
Domingo – 23/02
16h – Tatú Canta Cá
17h – Céu na Terra
18h30 – Ana Costa

 

Segunda – 24/02
17h – Carnaval com Bia Bedran
18h30 – Cordão da Bola Preta

 

Terça – 25/02
17h – Show de Carnaval Trupifolia com a TRUPICADA Banda de
Música Infantil
18h30 – Mônica Mac e Samba

 

 

Para comentar, aqui

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Compartilhe no Facebook
Twitter
Linkedin
Pinterest
Google +
Please reload

Destaques

Paisagens do interior e cervejarias que levantam bandeiras políticas são atrações do Talk Chopp com a Lupulinário em julho

05/07/2020

1/5
Please reload

Últimas
Please reload

© Todos os direitos reservados Comunic Sônia Apolináriosoniapolinario@yahoo.com.br