Rio Refugia transforma Sesc Tijuca em pequena ONU por um dia

 

A  terceira edição do Rio Refugia será realizada hoje, 20 de junho, quando se celebra o no Dia Mundial do Refugiado. A data foi instituída em 2001 pela Organização das Nações Unidas.

 

Das 8h às 18h, o Sesc Tijuca vai se transformar em uma pequena ONU, com manifestações culturais de diferentes países. Na feira gastronômica, estarão presentes gostosuras das culinárias nigeriana, venezuelana, síria, haitiana, congolesa, colombiana e senegalesa.

 

Serão oferecidas várias oficinas culturais como de brinquedos populares venezuelanos, caligrafia árabe, tatuagem de henna, turbantes, percussão de tambores e danças  afro e salsa, entre outras. Faz parte da programação musical apresentações do DJ Rajão (ritmos africanos) e do Coral do Rei (coral composto por angolanos e congoleses).

 

De acordo com dados da Agência da ONU para refugiados, o ano de 2017 foi o maior em número de pedidos de refúgio, no Brasil, desconsiderando a chegada dos venezuelanos e dos haitianos. Foram 13.639 pedidos no ano passado; 6.287 em 2016; 13.383 em 2015 e 11.405 em 2014.

 

No total, 33.866 pessoas solicitaram o reconhecimento da condição de refugiado no Brasil em 2017. Os venezuelanos representam mais da metade dos pedidos realizados, com 17.865 solicitações. Na sequência estão os cubanos (2.373), os haitianos (2.362) e os angolanos (2.036). Os estados com mais pedidos de refúgio são Roraima (15.955), São Paulo (9.591) e Amazonas (2.864), segundo dados da Polícia Federal.

 

De acordo com o relatório do  Comitê Nacional para os Refugiados (CONARE) “Refúgio em Números”, o Brasil reconheceu, até o final de 2017, um total de 10.145 refugiados de diversas nacionalidades. Desses, apenas 5.134 continuam com registro ativo no país, sendo que 52% moram em São Paulo, 17% no Rio de Janeiro e 8% no Paraná. Os sírios representam 35% da população refugiada com registro ativo no Brasil.

 

Para o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR), o Dia Mundial do Refugiado é uma oportunidade para “homenagear a coragem, a resiliência e a força de todas as mulheres, homens e crianças forçadas a deixar suas casas por causa de guerras, conflitos armados e perseguições”.

 

O Sesc Tijuca fica na Rua Barão de Mesquita, 539.

 

Íntegra da 3ª edição do relatório do Comitê Nacional para os Refugiados (CONARE), "Refúgio em Números”
 

Para comentar, aqui

 

 

Compartilhe no Facebook
Twitter
Linkedin
Pinterest
Google +
Please reload

Destaques

Ambev e Pratinha se unem em busca de inovação cervejeira

14/11/2019

1/5
Please reload

Últimas
Please reload

© Todos os direitos reservados Comunic Sônia Apolináriosoniapolinario@yahoo.com.br