Cervejeiros opinam sobre máquina automática que faz cerveja com cápsulas de insumos

A LG lançou, semana passada,  em Las Vegas (EUA), durante uma feira de tecnologia, uma máquina de fazer cerveja compacta e com visual próximo de máquina de café expresso. A empresa não tem previsão de colocar o produto no mercado brasileiro, pelo menos por enquanto.

 

 

Baseado em um vídeo que a LG divulgou de demonstração do funcionamento do produto, feito durante o evento, três atuantes empresários-cervejeiros do mercado de cervejas artesanais  do Rio de Janeiro opinaram sobre a máquina, a pedido da Lupulinário: Pedro Ribeiro (The Big Head e Narreal Brewhouse), Dalmo Marcolino (Bierteria e The Drunk Trunk) e Guilherme Rebelo (BrewLab Cervejas Experimentais).

 

O que a empresa informou sobre a máquina, batizada de HomeBrew:

 

* Vai usar cápsulas para a produção da bebida, em sistema semelhante ao utilizado em cafeteiras;

* Os tipos de cerveja disponíveis nas cápsulas são: American IPA, American Pale Ale, English Stout, Belgian-style Witbier e Czech Pilsner;

* O equipamento leva, em média, duas semanas para produzir até cinco litros de cerveja;

*A produção da bebida pode ser acompanhada por um aplicativo disponível tanto para Android como para IOS;

*Preço não informado

 

Veja o vídeo de demonstração do produto

 

Conheça as opiniões dos empresários-cervejeiros:

 

 

 

 Dalmo Marcolino – sócio da cervejaria Bierteria e do bar The Drunk Trunk

 

"Esperava mais desse equipamento da LG. Nao existe nenhum processo de melhoria ou aceleração do processo de fermentação e/ou maturação. Cheguei a ouvir dizer que a LG estava usando edição do DNA ((Genetic Modified Yeaster - GMY) da levedura e fazendo cerveja quase que instantânea, mas, pelo vídeo, notamos que a informação é que a cerveja vai levar duas semanas para ficar pronta.  Sendo assim, é apenas mais uma maquina de fazer cerveja que se junta a outras que automatizam o processo".

 

 

Pedro Ribeiro – consultor (cervejaria The Big Head, brewpub Narreal Brewhouse), beer

sommelier, professor

 

 

"É um produto que vai atender a um público bem específico. É para quem tem disponibilidade financeira e vai fazer algo mais customizado -  não vou dizer artesanal, porque não tem nada de artesanal ali. É mais para dizer que fez algo em casa, como uma máquina de pão. É uma curtição, nada sério. Quem gosta de cerveja artesanal não vai se bastar com o que a máquina oferece. Pelo que entendi, já vem com as cápsulas prontas, não há espaço para criação de receita, por exemplo. O público que gosta do homebrew gosta de perceber o seu mérito no resultado final do processo. No caso dessa máquina, a pessoa não tem mérito algum. Acho que é uma junção de disponibilidade financeira e comodidade, diferente da proposta do homebrew que está associado a um movimento maior que é o movimento dos makers, que é global. É o sentimento que tem aflorado nas pessoas que é o movimento de ser capaz de produzir algo customizado, pessoal, dentro de casa. Um movimento que, inclusive, movimenta um mercado, que é o de produtos artesanais. Porém, é possível que uma pessoa que venha a ter a máquina por curtição, fique curiosa para saber mais sobre o processo de produção de cerveja artesanal e vá em busca de mais informações sobre o assunto".

 

 

 

 

 Guilherme Rebelo – cervejeiro sócio da cervejaria BrewLab Cervejas Experimentais

 

"É interessante ver que a cerveja artesanal chamou a atenção de grandes grupos. É sempre bom podermos ter injeção de capital e com isso desenvolver tecnologias para o mercado. Acredito que máquina vá fazer cervejas boas, que traga assertividade às cervejas e que dê um mínimo de autonomia em termos de criatividade. Contudo, acho que a máquina limita o cervejeiro em termos de opções de insumos, pois parece necessário adquirir as cápsulas e, com isso fica impossível ter controle nos detalhes chave do processo. Tenho curiosidade de conhecer a máquina em si. Gostaria de testar. Em termos mais ideológicos acho que a máquina tira por completo a essência da cerveja artesanal, tira a razão fundamental que a tornou tão popular, que é a formação de comunidade, da troca e do compartilhamento de informações; da inventividade e criatividade que torna fazer cerveja tão apaixonante".

 

                                                        Para comentar, aqui

 

 

Compartilhe no Facebook
Twitter
Linkedin
Pinterest
Google +
Please reload

Destaques

Ambev e Pratinha se unem em busca de inovação cervejeira

14/11/2019

1/5
Please reload

Últimas
Please reload

© Todos os direitos reservados Comunic Sônia Apolináriosoniapolinario@yahoo.com.br