Exposição sobre Darwin, mulheres cientistas e em memória ao Museu Nacional são opções de programação gratuita no Rio

A trajetória  de Charles Darwin e sua revolucionária teoria da Evolução das Espécies ganhou uma exposição que começa hoje (sexta-feira, 30), no Museu do Meio Ambiente, localizado no Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Além de “Darwin Origens & Evolução”, outras duas “atrações científicas” também serão opções de programação gratuita, neste final de semana, na cidade: a série de oficinas “As Incríveis Mulheres Cientistas” e o Festival Museu Nacional Vive 2019.

 

Darwin Origens & Evolução

 

Em 2019, foram completados 210 anos do nascimento do naturalista inglês Charles Darwin, pai da Teoria da Evolução, e 160 anos da publicação de “A Origem das Espécies”, livro que revolucionou a ciência e marca o início da biologia moderna.

 

A exposição faz parte das comemorações. A mostra passeia pela trajetória da ciência antes, durante e depois das descobertas de um dos mais conhecidos e importantes cientistas da história e apresenta elementos de suas pesquisas e viagens, incluindo sua passagem pelo Brasil - em 1832, o naturalista atracou o navio Beagle, no país, por cinco meses. Ele esteve na Bahia e no Rio de Janeiro, onde visitou o próprio Jardim Botânico.

 

Com 295 peças, a mostra vai explorar o longo caminho percorrido por Darwin até sua famosa teoria. Para isso, serão utilizados obras de artistas contemporâneos, atividades interativas, coleções botânicas, peças de origem animal como insetos, crânios e fósseis, iconografia histórica, obras raras, gravuras, fotos, textos críticos e reportagens de época.

 

A exposição também vai abordar o desenvolvimento da produção científica no país, incluindo a inauguração de instituições como o Museu Nacional e o Jardim Botânico, além do intercâmbio de informações que cientistas residentes no Brasil mantiveram com Darwin.

 

Dividida em quatro partes (“A ciência antes de Darwin”;  “Um novo tempo”;  “A jornada do Beagle” e “A origem das espécies”), a exposição apresenta seis obras de artistas contemporâneos em ascensão na cena das artes visuais, em uma conversa entre arte e ciência. 

 

Ao longo dos ambientes da exposição, serão apresentadas obras dos brasileiros Gisela Motta e Leandro Lima - "DNA" (painel) e "Anti horário" (videoarte); Thiago Sant’Anna - "Refino"(videoarte); Paulo Nazareth - "Mi imagem de hombre exótico" (fotos);  Fernando Lindote - "O Guardião fala II" (óleo sobre tela) e a dinamarquesa Marika Siedler - "Rapas" (videoarte). 

 

 

 

Serão apresentados também, pela primeira vez no Brasil, reproduções de gravuras e ilustrações do norueguês Peter Brandt, que ilustrava o trabalho de campo do dinamarquês Peter Lund, considerado o pai da Paleontologia no Brasil. Outro destaque é a exibição de três dioramas criados especialmente para a exposição pelo artista de teatro Bruno Dante, exibindo parte da história da produção científica no Brasil.

 

A exposição, que poderá ser vista até 30 de outubro, trará ainda obras do naturalista e ilustrador João Barbosa Rodrigues, que dirigiu o Jardim Botânico entre 1890 e 1909. Este ano completaram-se 110 anos de sua morte e seu trabalho é reconhecido pela relevância  que teve para o conhecimento da diversidade vegetal brasileira.

 

A visitação poderá ser feita de terça a domingo, das 10 às 18 horas, com entrada até as 17 horas.

 

 

As incríveis mulheres cientistas

 

 

Amanhã, sábado (31), no Espaço Ciência Viva, na Tijuca, serão realizadas oficinas e atividades para apresentar as mulheres cientistas do Brasil e do mundo e suas descobertas. As atividades acontecem das 14h às 18h. O Espaço fica na Avenida Heitor Beltrão 321.

 

 

Conheça as participantes

 

 

 

 

 

Festival Museu Nacional Vive 2019

 

No dia 2 de setembro de 2018, o Museu Nacional foi destruído por um incêndio. Neste final de semana, a data será lembrada com atividades que celebram a ciência, cultura e tecnologia.

 

Na  Alameda das Sapucaias, na Quinta da Boa Vista, será montada uma exposição de fósseis e outra de arqueologia, quando o público será convidado a colorir imagens impressas de peças resgatadas do incêndio.

 

Jogos de tabuleiro, pinturas com crianças e oficinas de stencil serão usadas para passar informações sobre o museu. A oficina Renascer das Cinzas realizará entrevistas com o público para construir um “Mapa de Memórias e Desejos para o Museu”. No documento, as pessoas poderão produzir desenhos e colagens com base em suas experiências pessoais e seus desejos para o futuro da instituição.

 

Todas as atividades vão acontecer das 10 às 16h.

 

Veja a programação completa​

 

Para comentar, aqui

 

 

 

 

 

 

 

Compartilhe no Facebook
Twitter
Linkedin
Pinterest
Google +
Please reload

Destaques

Pernaltas e a arte de brincar o carnaval nas alturas

08/02/2020

1/5
Please reload

Últimas
Please reload

© Todos os direitos reservados Comunic Sônia Apolináriosoniapolinario@yahoo.com.br