Mondial de la Bière São Paulo promete ser um festival ácido

Hoje (30), às 17h, começa o Mondial de la Bière São Paulo, na Arca, na Vila Leopoldina. O cardápio apresentado pela organização lista quase 400 rótulos, produzidos por cerca de 70 cervejarias. Vários foram criados justamente para serem lançados no evento. Em meio a tanta oferta, o que escolher? Lupulinário pediu dicas para três sommeliers: Jayro Pinto Neto, vencedor do 5º Campeonato Brasileiro de Sommelier, o que lhe conferiu o posto de atual melhor beer sommelier do país; Cristiane Libânio, formada pelo Instituto da Cerveja Brasil; e Pedro Ribeiro, pioneiro na produção de cerveja artesanal, no Rio de Janeiro, é sócio-fundador da AcervA Carioca, mestre cervejeiro e professor.

 

As cervejas ácidas marcam presença forte no evento e foram destacadas pelos sommeliers. 

 

"Atualmente, as ácidas têm sido as grandes sensações dos eventos cervejeiros, até porque abraça todos os públicos. No Mondial, temos ácidas tanto para iniciantes, quanto para experts", comenta Pedro Ribeiro.

 

Faça sua “cola” e boa degustação.

 

Iniciantes

 

Para o público que começa a  se familiarizar com as cervejas artesanais, não faltam opções. Como observa  Cristiane Libânio, estão disponíveis desde rótulos da grande indústria até alguns que não se acham tão facilmente em São Paulo ou mesmo no restante do país. Assim, ela deixou de lado as marcas que podem ser facilmente encontradas nos supermercados para garimpar, no cardápio, cinco opções que considera “imperdíveis”.

 

1. Cervejaria Imigração (RS).

“A marca trouxe duas cervejas de entrada que valem a visita: uma Pilsen e uma Weiss (cerveja de trigo) que são minhas sugestões para começar a degustação no Mondial”.

 

2. Na Boxer do Brasil, os destaques são os rótulos ingleses.

“Dentre eles, indico a Fuller's Honey Dew, uma English Golden Ale de 5,0%, com adição de mel e muito, muito sabor”.

 

3. O estande da Bier & Wein oferece muitas cervejas estrangeiras.

“Se fosse para indicar cervejas tradicionais, poderia começar com a Praga Gold, uma Bohemian Pilsener. Porém,  se a ideia é inovar e experimentar algo um pouco diferente, ainda que para iniciante, minha sugestão vai para a Kriek Boon, estilo Fruit Lambic, com 4,0% de teor alcoólico. Essa é uma cerveja belga maravilhosa, com adição de cerejas e fermentação espontânea - sim, fermentada com as leveduras contidas no ar! É uma bebida leve e muito saborosa, que vai surpreender  quem ainda não experimentou cerveja com frutas”.

 

4. Paulaner Salvator .

“Para quem gosta de algo mais alcoólico, sugiro a Paulaner Salvator, uma Doppelbock, com  7,9% de teor alcoólico, que apesar de ser uma Lager, possui sabores mais complexos, provenientes da torra do malte, mas que se equilibram muito bem com o álcool, tornando-a uma excelente pedida”.

 

5. Para quem já ouviu falar que o Brasil possui estilo próprio catalogado em guia internacional de cerveja (BJCP), “a famosa e polêmica” Catharina Sour e quer conferir o que esse estilo tem de especial,  Cristiane recomenda,  aos iniciantes, que apreciem os rótulos da cervejaria Lohn, no stand da Databier Cervejas Artesanais. “As opções neste estilo variam com adição de Butiá, Jabuticaba e Manga”, explica.

 

Intermediários

 

Mais do que listar cinco rótulos, Pedro Ribeiro indicou cinco "caminhos" que os já iniciados podem percorrer no Mondial, sejam eles mais "conservadores" ou "ousados"

 

1. Bodebrown (PR)

 

Clássicas:
Perigosa Imperial IPA 9,2%
Stone/Bodebrown Cacau IPA American IPA 6,1%


Novidades:

Pinot Noir + Sauvignon Blanc Brut IPA Sorachi Ace Brut IPA 7,0%
Brut Sour Blanc Brut Sour 7,0%

 

 

"A Bodebrown sempre tende a ser um dos stands mais procurados. Para o público intermediário, estão valendo as clássicas. Eles estão muito empenhados na produção de uma séria de cervejas Brut IPA, desde o ano passado, e vão apresentar rótulos novos nesse estilo. Vale experimentar".

 

2. Boxer do Brasil

 

Fuller's Espresso Stout Coffe Beer 5,00%
Fuller's Honey Dew English Golden Ale 5,0%
Fuller's London Porter Porter 5,4%
Fuller's London Pride Premium Bitter
Belhaven Twisted Thistle American IPA 5,6%

 

"Esse é um stand que costuma trazer cervejas de fora. Vale a pena sempre conferir. A Boxer vai estar com a família Fuller's, uma marca clássica inglesa, consagrada, com cervejas que agradarão, em cheio o público intermediário. A Fuller's agrada também o público iniciante".

 

3. Bier & Wein


Lambiek Boon 2 year old Geuze Lambic 4,0% 8

 

"Além da Lambiek Boon tradicional, trouxeram uma versão envelhecida por dois anos, o que pode ser uma oportunidade rara de tomar uma cerveja desse naipe".

 

4. Baden Baden (SP)


ICB Sour Peach 5,5%
Three Monkeys Brazilian Pilsner 4,5%

 

"A cervejaria está com algumas parcerias. Com o ICB, fez uma Sour, um estilo que está crescendo  cada vez mais, em todos os lugares. Sour é  um estilo bastante eclético, que agrada também o público de entrada. As pessoas que juram que não gostam de cerveja, quando são apresentadas a algumas Sours, especialmente, as que têm adição de frutas, costumam gostar e já se espera logo a expressão, ‘nossa, nem parece cerveja’.  A parceria com a Three Monkeys, tem como peculiaridade ser uma cerveja feita apenas com insumos nacionais, cultivados no Brasil. Não sei se, em termos sensoriais, traz algo tão marcante, mas é interessante o conceito".

 

5. Three Monkeys Beer (RJ)

 

 

Gazpacho (collab com 2cabeças) Gose com Tomate e Picles de Pepino
I'm Damn Sour Sour com Pitaya e Maracujá 6,3%
I'm Fucking Sour Sour com Pitaya, Limão e Framboesa 6,3% 
I'm So Sour Sour com Pitaya e Morango 6,3% 8 16 I'm Sour Sour com Pitaya e Goiaba 6,3%
New Dawn (collab com Hocus Pocus) Berliner Weisse com Mate, Limão e Canela 4%

 

 

 

"A Gazpacho foi lançada ano passado, mas é uma cerveja bastante inusitada. É uma Gose, ou seja, está na família das ácidas. Leva tomate e picles de pepino. Achei bastante interessante a proposta. Acho que essa é uma cerveja bastante ousada e provocativa, vale a pena experimentar. Destaco também a 'família' Sour, cada uma com suas frutas. Elas variam em acidez. É uma experiência e tanto experimentar e perceber as nuances entre elas. A colaborativa com a Hocus Pocus é uma proposta bastante interessante também", afirma Pedro que acrescenta: "Duas cervejarias ainda podem ser uma boa opção para quem está na fase intermediária: a belga Halve Maan, bastante tradicional e que também vai agradar os experts, e a gaúcha Roleta Russa, bem competente, com portfólio amplo, que pode ser um ótimo canal para explorar os diferentes estilos".

 

Complexas

 

Coube a Jayro Pinto Neto listar cinco rótulos para quem busca degustar cervejas mais complexas.

 

1. Croma Beer Company (SP)- Red Strike . “Tive oportunidade de degusta-lá no Brewpub da marca. Bem ácida e refrescante”. 

 

2. Cervejaria Dádiva (SP)- Cinq - BA Mixed Fermentation Sour Beer.

“Essa cerveja foi feita em comemoração aos 5 anos da Cervejaria Dádiva. Tem uma bela acidez, com presença notável de Carvalho americano e Framboesa”.

 

3.Cozalinda (SC) - Praia do Meio.

“A qualidade das cervejas de fermentação híbrida dessa marca impressiona”.

 

 

4. Cozalinda Wild Pinot Noir + Framoesa.

“Já degustei a sem framboesa, estou curioso para saber como essa ficou. Já mencionei que eles são fodásticos?”.

 

5. Lohn Carvoeira.

“Já podemos considerá-la um clássico. Você quer novidades? A lista é extensa. Você quer beber uma p* breja? Beba Lohn Carvoeira”.

 

“Acho que a lista como um todo tem bastante coisa, desde extremas até opções mais tranquilas. Eu procurei indicar só cervejas que já bebi”, comenta Jayro

 

 

 

Conheça todo o cardápio

 

 

 

 

 

Para comentar, aqui

 

 

 

 

 

 

 

 

Compartilhe no Facebook
Twitter
Linkedin
Pinterest
Google +
Please reload

Destaques

Ambev e Pratinha se unem em busca de inovação cervejeira

14/11/2019

1/5
Please reload

Últimas
Please reload

© Todos os direitos reservados Comunic Sônia Apolináriosoniapolinario@yahoo.com.br