• Sônia Apolinário

Teresópolis está prestes a receber o título de Capital Nacional do Lúpulo

Teresópolis, cidade serrana do estado do Rio de Janeiro, está prestes a receber o título de Capital Nacional do Lúpulo. Um Projeto de Lei com este objetivo está em tramitação na câmara dos Deputados.

O PL n. 610/2019, de autoria do deputado Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ), entrou em tramitação no dia 12 de fevereiro. Na terça-feira passada, dia 16 de abril, a Comissão de Cultura da Câmara aprovou o parecer favorável ao PL, que seguiu para apreciação final na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania ( CCJC ).

“Dentre os diferentes locais que cultivam mudas do lúpulo, o município de Teresópolis distingue-se dos demais por ser o único que possui projeto autorizado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), para produção e comercialização de suas mudas, cumprindo todo o processo de registro, cujo objetivo é garantir a identidade do material propagativo e seus atributos de qualidade para uma produção sustentável”, afirma o deputado Sóstenes Cavalcante, como justificativa para a sua iniciativa.

O lúpulo é um dos ingredientes utilizados na fabricação de cerveja. Praticamente a totalidade da planta utilizada pela indústria cervejeira nacional é importada. Terceiro maior produtor mundial de cervejas, o Brasil fabricou 14,1 bilhões de litros de cerveja, em 2016, atrás apenas da China e dos EUA. O setor gera cerca de 2,2 milhões de empregos e sua receita corresponde a 1,6% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional, contribuindo com R$ 23 bilhões de impostos ao ano. Dados divulgados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) apontam um crescimento de 37,7% no número de cervejarias registradas no Brasil em 2017, o equivalente a 679.

De acordo com a justificativa do PL, o “projeto inovador” no plantio de lúpulo no Brasil , foi iniciado por Teresa Yoshiko, proprietária do Viveiro Ninkasi; a engenheira agrônoma Monique Lopes; e Ana Cláudia Pampillon, sommelier de cervejas, turismóloga e coordenadora da Rota Cervejeira - RJ.

“Como o mercado cervejeiro encontra-se consolidado internacionalmente, caracterizado por muitas normas e padrões de comercialização, esse projeto tem se desenvolvido de forma a alcançar um produto diferenciado e passível de ser explorado profissionalmente. O viveiro de Teresópolis possui, de forma inédita, autorização para não apenas um, mas cinco tipos de mudas, da sua plantação de vinte e nove espécies. O grupo já identificou como diferencial nas mudas legalizadas o aroma que elas possuem, o que poderá ser explorado em benefício da produção brasileira”, observa o deputado no texto do seu projeto.

Ele lembra que a região já “alberga" a Rota Cervejeira RJ, que promove eventos que contribuem para o desenvolvimento da cultura cervejeira. Na avaliação do deputado, o “ineditismo da iniciativa” do plantio de lúpulo, somado ao “grande potencial” para impulsionar o desenvolvimento de um setor “com mercado muito promissor” confere a Teresópolis “uma posição única entre as localidades que cultivam lúpulo”. Esse quadro, na sua avaliação, justifica a atribuição do título de Capital Nacional do Lúpulo para a cidade.

Para comentar, aqui

Destaques
Últimas