• Sônia Apolinário

Feira vegan apresenta novos alimentos no Reserva Cultural de Niterói

"A Soja na Alimentação Humana" é o tema de uma palestra que faz parte da programação do 8º Vegannezando, feira que reúne gastronomia, moda, cosméticos e música, neste final de semana, no Reserva Cultural, em Niterói (RJ). Além de tirar dúvidas sobre o consumo do grão, o evento vai apresentar uma forma ainda pouco conhecida por aqui, de utilizar o alimento. Trata-se do tempeh, um fermentado de sementes de soja.

Com textura densa e ligeiramente carnuda, constitui um alimento forte, com um sabor mais intenso que outros derivados da soja, como o tofu e o missô, por exemplo. É utilizado na Indonésia desde o início século XVII, mas só agora chega por aqui.

“O tempeh é 19% proteína. Também contém vitaminas, principalmente as do grupo B, dentre as quais, a piridoxina (B6) comparece com a maior quantidade. É um alimento de fácil digestão e muito versátil para o uso culinário”, explica Alciberto Abrantes que, amanhã (dia 14) fará a palestra sobre a soja e, em seguida, ministra uma oficina de culinária com tempeh.

Professor de educação física, há dois anos, ele produz o alimento, a partir de soja orgânica adquirida no sul do país, na empresa em que é sócio, em Pendotiba, Niterói - a Pró-Tempeh. Além dele, no Brasil, só existem outros dois produtores desse fermentado de soja, em Minas Gerais e São Paulo.

Foi na década de 80, quando morava em uma fazenda na Califórnia (EUA), ainda no clima do movimento hippie, que ele descobriu o tempeh.

Nessa mesma época, os brasileiros descobriam a soja e sua fama de ser um grão rico em proteínas e sais minerais. O que não sabiam é que também é rico em ácido fítico (fitato), considerado um antinutriente, por bloquear a absorção dos nutrientes dos alimentos pelo organismo.

“Quem comia soja como se fosse feijão, passava mal, tinha muitos gases, problemas intestinais e alergias. Vem daí a rejeição à soja que se agravou com a questão dos transgênicos”, informa Alciberto, de 65 anos, que já foi macrobiótico e hoje se diz adepto de uma alimentação equilibrada.

Ao contrário dos brasileiros, os orientais, há centenas de anos, comem a soja de forma “correta”, ou seja, "transformada" em seus derivados, que vão do leite à farinha, passando pelo tofu, missô . São muito consumidos pelos vegetarianos como fonte de proteína.

Receitas

Tempeh frito

Esta é a forma mais simples e também a que torna o tempeh mais crocante e saboroso. Basta cortá-lo em tiras longas ou em cubos e fritá-lo, como se faz com batatas, até que fique dourado. Deixe escorrer a gordura sobre um papel absorvente e espalhe sal marinho, molho shoyu ou molho tipo tártaro: está pronto um delicioso tira-gosto.

Os cubinhos fritos podem também ser usados em saladas de folhas ou em sopas.

Tempeh ao molho agridoce

Ingredientes

400 g de tempeh

2 colheres de sopa de molho de soja (ou tamari)

1 colher de sopa de amido de milho

5 colheres de sopa de vinagre de arroz

4 colheres de sopa de ketchup

2 colheres de sopa de açúcar mascavo

1/2 copo de água (125 ml)

1 colher de sopa de óleo de côco

1 pimentão grande, semeado e cortado em cubos

Pedaços de abacaxi cortados em cubos de 2 cm

5 dentes de alho fatiados

arroz branco para acompanhamento

Modo de preparo

  1. Cortar o tempeh em tiras finas, em seguida, cortar ao meio.

  2. Misturar o molho de soja, amido de milho, vinagre de arroz, ketchup, açúcar mascavo e água e deixar descansando.

  3. Aqueçer o óleo de coco em uma frigideira grande em fogo médio-alto.

  4. Adicionar o tempeh, a pimenta verde, o abacaxi e o alho e cozinhar até começar a dourar por 5-7 minutos.

  5. Misturar novamente o molho e adicionar à frigideira.

  6. Cozinhar até que o molho apresente consistência espessa, em seguida, retire do calor.

  7. Servir sobre o arroz.

Essa receita possui o molho mais doce do que ácido / amargo. Se você prefere um sabor mais ácido, adicione apenas 1 colher de sopa de açúcar mascavo e vá adicionando uma colher de chá de açúcar até ficar a seu gosto.

​8º Vegannezando

Faz parte da programação do 8º Vegannezando um workshop de comida vegana, a ser

ministrado, hoje, por Lucas Dertoni. Oficinas de tinta e pintura, yoga, cinema e palestra sobre resgate de animais também são atrações do evento, criado em 2017. De caráter itinerante, reúne micro e médios empreendedores.

“Procuramos estar acessíveis a todos que querem experimentar novos sabores e desmistificar o conceito de que ser vegano é caro ou é um estilo de vida limitado. A nossa feira mostra a diversidade de produtos que já se pode encontrar sem nenhuma crueldade animal. Nós recebemos apresentamos só gastronomia como moda, cosméticos naturais, decoração, espaços holísticos e flashtattoo, com muita música e atividades para todas as idades”, comenta a produtora Flávia Salles.

Serviço

Local: Reserva Cultural - Avenida Visconde do Rio Branco, nº 880, São Domingos, Niterói, RJ

Data: 13 e 14 abril

Horário: 12h às 22h

Entrada franca

Programação completa

Para comentar, aqui

Destaques
Últimas

© Todos os direitos reservados Comunic Sônia Apolináriosoniapolinario@yahoo.com.br